Cravos e espinhas: o que são e como cuidar!

Cravos e espinhas: o que são e como cuidar!
4 minutos para ler

Problemas com cravos e espinhas são muitos comuns a partir da adolescência e, geralmente, amenizam na fase adulta. No entanto, mesmo não sendo um problema crônico para algumas pessoas, todos nós estamos sujeitos a conviver alguns dias com uma (ou mais) acne na pele.

Contudo, em algumas situações, esses comedões podem ser evitados ou, pelo menos, amenizados. Além disso, cuidar da forma correta dos cravos e espinhas influenciam no tempo de recuperação da pele. Contudo, caso a acne seja ignorada ou sofra mais lesões, pode piorar a inflamação.

Neste texto, apresentaremos o que são os cravos e espinhas, bem como as maneiras de prevenir e cuidar. Acompanhe.

O que são cravos e espinhas?

A pele produz uma oleosidade natural por meio das glândulas sebáceas. Quando acontece um excesso de óleo ou de sebo, os poros são obstruídos. Consequentemente, aumenta a quantidade de gordura e a proliferação de bactérias dentro desses poros. É a soma desses fatores que causam os cravos.

Quando a gordura dentro do poro tem contato com o ar, ela oxida e aparecem os pontos pretos. Dificilmente esse cravo aberto evoluirá para uma espinha. No entanto, quando o sebo não tem o contato com o ar (cravo fechado), não ocorre a oxidação, mas a quantidade de bactérias aumenta e, comumente, evolui para uma inflamação — as espinhas.

Além disso, existem graus de acne, como:

  • 1º grau: comedônica, cravo (aberto ou fechado);
  • 2º grau: pápulo pustulosa, lesões, vermelhidões, sensível ao toque, elevação da pele, pode ou não ter secreção amarela;
  • 3º grau: nódulo cística, lesões como nódulos e pus;
  • 4º grau: conglobata, grandes leões e quantidade de secreção, pode formar cicatrizes;
  • 5º grau: fulminante, grande inflamação da pele, pode ocasionar febre e mal-estar, além de mais chances de cicatrizes.

Quais são as principais causas?

Como citado, além da produção em excesso da oleosidade junto com a proliferação de bactérias, existem outros fatores contribuintes com o surgimento dos cravos e espinhas. São eles:

  • estresse, pois altera os hormônios;
  • alterações hormonais, como puberdade, gestação, período pré-menstrual etc.;
  • alimentos oleosos, ricos em açúcar ou farinha branca, pois são estimulantes de gordura;
  • medicamentos, alguns podem dar como efeito colateral o surgimento de acnes. Por exemplo: corticoides.

Como prevenir e cuidar?

Os cravos e espinhas podem ser prevenidos por meio de cuidados básicos e diários com a pele. No entanto, quando a acne já existe, os mesmos cuidados podem ser aplicados. Veja mais detalhes a seguir:

Use protetor solar

O sol diminui as células de defesa e aumenta a produção de sebo da pele. Por isso, use filtro solar corporal e facial, de acordo com a sua pele. Se for oleosa, prefira o protetor com toque seco.

Mantenha a pele hidratada

Todos os tipos de pele, seja seca, mista ou oleosa precisam de hidratação. Entretanto, é indispensável usar os produtos corretos de acordo com cada uma. A pele oleosa precisa ser bem hidratada, mas com produtos capazes de controlar a oleosidade. Além disso, aposte em bons produtos, como cremes e vitaminas.

Evite alimentos gordurosos

Não há nada provado cientificamente que determinados alimentos, como o chocolate, causem espinhas. Contudo, consumir gorduras em excesso e a falta de alimentos nutritivos estimulam a produção de gordura, como resultado, entupimento dos poros e acne.

Faça a limpeza correta da pele

Dormir de maquiagem ou com resíduos de protetor solar e outros produtos é bastante prejudicial à saúde da pele. Por isso, use cosméticos faciais específicos para limpeza profunda, como sabonetes, água micelar e outros. Também, é importante não esfregar a pele, tenha um toque suave e delicadeza.

Por fim, em todos os casos de cravos e espinhas, é interessante a pessoa sempre fazer um acompanhamento com um dermatologista para manter a saúde da pele, a limpeza adequada e prevenção. No entanto, se for uma situação crônica, o acompanhamento é essencial para receber o tratamento mais indicado.

Gostou do artigo? Aproveite para compartilhá-lo em suas redes sociais para mais pessoas aprenderem sobre o tema!

Você também pode gostar

Deixe um comentário